Cuidadores de Idosos: o que vai acontecer depois da pandemia. Vocês já estão preparados?

Vocês já pararam para pensar no que vai acontecer depois da pandemia em termos práticos?

Não é preciso ter bola de cristal para saber, basta acompanhar com atenção o que está acontecendo neste exato momento.

Acho que boa parte ainda não pensou no assunto, no quanto isso vai se assemelhar às mudanças causadas pela Revolução Industrial, no sentido de mudar toda uma época.

Na Revolução Industrial, o serviço manual passou a ser substituído por máquinas, e não, não é isso que acontecerá com cuidadores de idosos, não seremos substituídos por robôs (pelo menos não ainda). Aliás, justamente no tempo das máquinas, da tecnologia e de tanta coisa automática, o atendimento humanizado continuará mostrando o seu valor.

Mas acontece o seguinte: tudo o que puder ser feito online, continuará sendo feito online. Daí, quem tiver pouca experiência com o uso da internet, terá menos oportunidades. Nem digo apenas em relação aos conhecimentos sobre o uso da internet, mas o próprio domínio da nossa língua e da interpretação de texto.

Vou dar alguns exemplos simples e muito reais.

1. Por vezes, lá no grupo de Cuidadores de Idosos do Facebook, posto alguma imagem referente a alguma proposta de emprego, com o contato do empregador, para que o interessado entre em contato diretamente com quem está oferecendo emprego. Claro que, uma parte, faz a coisa correta, que é entrar em contato diretamente com o contratante. Porém, muitas, muitas e muitas pessoas – e isso não acontece só no nosso grupo mas em todos os grupos de cuidadores de idosos onde participo – simplesmente comentam “Eu quero” como se pensassem que basta comentar que o contratante vai vir até elas, olhar comentário por comentário e oferecer o tal emprego.

2. Por vezes posto no grupo algo com o título “Curso online gratuito de Cuidador de idosos” e recebo comentários do tipo “Quanto custa?”, “Onde é?”, “Tem em São Paulo também?”

O simples ato de clicar num link e ir para outro site para obter as informações parece algo bem complicado para um certo grupo, e não, não estou falando isso como forma de menosprezar essas pessoas, estou apenas reparando que há uma grande necessidade de conhecimento para este grupo, porque, caso essas pessoas não obtenham os conhecimentos necessários, elas não terão as mesmas oportunidades do que aquelas que possuem tais conhecimentos.

Claro que, se você é cuidador ou cuidadora de idosos, está empregado(a), conhece muitas pessoas na área que podem te indicar para um emprego caso precise, muito possivelmente a sua necessidade de atualização nem seja muita. Mas, sabendo que este é um mercado que está sempre em crescimento, o meu conselho é: se atualizem o máximo que puderem, porque a tendência é que o mercado de cuidadores de idosos busque por pessoas cada vez mais qualificadas.

Compras pela internet aumentaram

Lembro que, quando surgiu a internet, muitas pessoas tinham receio de fazer compras online.

Com a pandemia, entretanto, vi recentemente um vídeo de um estudo que comprovou ter aumentado o número de pessoas que fizeram a sua primeira compra online. E por que aconteceu essa mudança? Porque era necessária.

De certa forma, era algo que realmente iria acontecer daqui a alguns anos, a pandemia só veio para antecipar essas mudanças, mostrar o quanto elas eram necessárias.

Sim, há muitas fraudes online, fraudes que escaparão aos olhos de usuários menos experientes. Mas, no geral, comprar online é bastante seguro, a dica claro é utilizar sites confiáveis e que tenham um protocolo seguro (https).

Se você ainda não fez nenhuma compra pela internet, está na hora de se preparar para isso, porque será tendência depois da pandemia.

Cursos online como primeira opção

Muita gente faz cara feia para o termo “curso online” ou “curso à distância”. Para alguns, é sinônimo de curso sem qualidade, ou um curso onde você não vai aprender direito, ou não vai aprender tão bem quanto tendo um professor cara a cara.

Muito pelo contrário. Há cursos online muito bons, inclusive alguns que são melhores que os que fazemos presencialmente. Porque, se estou aqui na minha cidade, muito possivelmente só poderei fazer os cursos perto da minha casa, a não ser que eu tenha condição de viajar para longe para fazer outros cursos. Então, fazendo um curso online, tenho à minha disposição os melhores cursos e professores não só do Brasil, como do mundo todo.

Mas é claro que, para fazer um curso online, uma pessoa tem que saber minimamente como usar a internet. Como abrir um browser, como fazer as atividades dentro da plataforma, etc. Ou seja, se você busca apenas pelo ensino tradicional – o presencial numa escola – estará perdendo milhões de excelentes oportunidades.

Após a pandemia, muitos dos cursos que eram presenciais passarão a ser apenas online, vou te explicar o motivo:

  1. A pandemia poderá passar, mas nada nos garante que o vírus não volte, ou que algum tempo depois não surja um vírus novo, que obrigue as pessoas a se isolarem novamente;
  2. A infraestrutura para tudo aquilo que é presencial exige um grande custo. Ter e manter uma escola física, pagar aluguel de um prédio, IPTU, funcionários, manutenção de aparelhos, etc., tudo isso é de grande custo para uma escola, e claro, ao perceberem que tal curso pode ser dado online, muito melhor será para eles;
  3. Um curso online oferece também outras vantagens para o estudante: não precisar de pegar transportes lotados, ter flexibilidade de horários (algo importantíssimo para o cuidador, que muitas vezes faz plantões longos e não teria como frequentar uma sala de aula diariamente), não estar exposto à violência urbana, etc.

Então, se você tinha algum receio de fazer um curso online, abra a sua mente e saia do quadradinho, porque será tendência. Ou você faz ou ficará praticamente sem boas opções. Aqui no site Cuidadores de Idosos do Brasil tenho uma lista com vários cursos, desde cursos de cuidador de idosos, enfermagem, massoterapia e outros indispensáveis para quem trabalha na área da saúde.

O melhor conselho que eu posso te dar

O melhor conselho que eu posso te dar para estar preparado(a) para o que vai acontecer após a pandemia é: aprimore-se, atualize-se, busque conhecimento.

Não estou falando apenas de fazer cursos de cuidador de idosos não.

Estou falando em melhorar seu conhecimento sobre o uso da internet, melhorar seu conhecimento geral também.

Melhor forma de melhorar o seu conhecimento? Leia. Leia livros. Leia livros sobre a área da saúde e leia livros de todos os tipos também. A literatura brasileira é riquíssima e há vários livros que você não precisa nem comprar, basta baixá-los em pdf para ler gratuitamente. Ou então, você pode ir à Biblioteca pública da sua cidade e pegar algum livro emprestado.

Aliás, as pessoas diminuem muito o valor das bibliotecas. Há raridades por lá. Não só em livros, como em pessoas também. Os bibliotecários costumam ser pessoas muito solícitas, dispostas a ajudar.

Nosso trabalho como cuidador de idosos é também ajudar ao idoso a manter a mente dele saudável. Mas se a nossa própria mente não estiver saudável e produtiva, como iremos ajudar este idoso? Exercite o seu cérebro!

Sei que muita gente “defente” o trabalho do cuidador de idosos como um mero trabalho doméstico. Muita gente acha que para cuidar de um idoso basta saber dar banho, dar a papinha e os medicamentos, e que para isso não é preciso ter estudo. E sim, talvez você tenha a “sorte” (ou azar?) de ter um empregador que não exija muito de você, mas, na maior parte dos casos, conhecimento é necessário sim.

Você e responsável por tudo o que diz respeito ao idoso que você cuida, não é? Então se de repente você tem que marcar a consulta dele online, você vai saber fazer? Você vai ficar perguntando “mas e qual é o telefone de lá?”, querendo fazer tudo pelo “método antigo”, quando todo o mundo já está fazendo as coisas pelo método moderno? Você acha que o mundo vai parar, apenas porque você ainda não se adaptou? Você acha que algum patrão vai querer te contratar quando sabe que tem que te ajudar em tudo, te ensinar tudo, porque “certas coisas você não sabe fazer”?

Antigamente, a gente anotava tudo num caderninho. Hoje, controle de pressão arterial, marcação de consultas, retorno médico, etc., tudo isso já se faz através de planilhas, você já sabe utilizá-las?

Outra dica bem legal que posso dar para vocês: aprendam com os jovens. Estes jovens, que nasceram junto com a internet, podem ensinar bastante, e muitos terão prazer em ensinar.

Segundo o conhecido historiador Leandro Karnal (assista aqui esse vídeo) até curso de inglês será uma coisa altamente indispensável após a pandemia. Como disse acima, a pandemia só veio antecipar o que já seria tendência, porque, quem se mantém atualizado, já sabe há muito tempo que curso de inglês nem é mais “diferencial” num currículo, é obrigação.

Quem puder, ajude a quem precisa, ensine a quem não sabe. Quando surgiu o auxílio emergencial, por exemplo, vi muita gente perdida porque não sabia como baixar o aplicativo ou como utilizá-lo. Nem sempre era questão de não ter internet, ou de não ter um celular moderno onde pudesse baixar o aplicativo, era questão de realmente não saber utilizar, e daí, em tempos onde a aglomeração não era recomendada, muita gente fez fila na Caixa Econômica porque simplesmente não sabia como fazer.

Na minha cidade, pelo menos, a Câmara Municipal disponibilizou funcionários que ajudaram as pessoas que não tinham como baixar ou que não sabiam como utilizar o aplicativo, mas será que essa iniciativa aconteceu por todo o país?

Mais uma dica: sabendo de todas essas mudanças que virão após a pandemia, pressionem as vossas prefeituras para oferecerem cursos de atualização para a população, principalmente sobre o uso da internet, porque, quem não estiver atualizado, vai perder muitas oportunidades.

EXPLORE MELHOR O SITE VISITANDO AS PÁGINAS PRINCIPAIS:

Sobre | Cursos | Livros |Contrate | Clube do Cuidador | Emprego | Vídeos | Contato

PARTICIPE DAS NOSSAS REDES SOCIAIS:

– Faça parte do Grupo Cuidadores de Idosos do Brasil no Facebook ou adicione o nosso perfil no Facebook. | Siga-nos no Instagram e no Twitter.